Crítica: Matrix (1999)

Poucas ficções científicas conseguiram combinar tão bem efeitos especiais de qualidade com um roteiro inteligente da maneira que Matrix conseguiu. O filme foi uma verdadeira revolução em termos técnicos com a criação do Bullet Time, algo que inspirou diversos filmes posteriores e até jogos eletrônicos. Admirar o visual de Matrix e suas cenas de ação ainda empolga. É uma mistura de câmera lenta, muitos tiros, sons de munição caindo no chão, cortes rápidos, cacos de vidros se espalhando por toda a tela e movimentos criativos dos personagens. Tudo isso produz sequências cheias de adrenalina e que são puro deleite para os olhos.
A premissa do filme é daquelas de animar qualquer fã de ficção científica. Neo, um trabalhador comum de dia e um hacker à noite, decide tomar a pílula vermelha para descobrir o que é a Matrix e nós vamos com ele. Todo o mundo em volta de Neo na verdade não passa de um programa de computador. O mundo real  dos humanos nesse futuro sombrio se resume a ficar em um tanque cheio de água servindo de bateria para os robôs, que estão vencendo de longe a guerra entre humanos e máquinas. Mas a resistência existe e a esperança dos homens está sobre Neo, o provável escolhido.
As referências de Matrix transitam entre Sócrates e o seu “conhece a ti mesmo”, Platão e o mito da caverna, Alice no País das Maravilhas, religião e muito mais. Os irmãos Wachowski nos entregam esse roteiro de um jeito que está longe de ser confuso, mas que requer um pouco mais de atenção. O “esforço” vale cada minuto. O equilíbrio entre conteúdo e técnica é perfeito. Em um momento acompanhamos lutas de kung-fu muito bem coreografadas e em outro temos um personagem dizendo que “a ignorância é uma benção”, forçando o público a refletir sobre o significado dessa frase.
Para ser perfeito só faltou um final mais criativo, que estivesse a altura do que é visto antes. Não que seja ruim, mas a expectativa era tanta que um pouco de decepção foi inevitável.
9/10 

About these ads

6 comentários sobre “Crítica: Matrix (1999)

  1. Realmente é um marco, um belo filme, com uma história com várias camadas e um visual impressionante, fora que foi um choque na época, entrei no cinema desavisada e sai maravilhada, hehe. Quanto ao final… Bom, não achei tão decepcionante assim, mais decepcionante foram suas continuações.

    • pois é… elas não conseguiram manter o nível… o engraçado é que a maioria ainda acha o Reloaded melhorzinho que o Revolutions, já eu acho o contrário…

  2. “Matrix” é um verdadeiro marco do cinema. Em termos de linguagem cinematográfica, fez uma verdadeira revolução, especialmente no que diz respeito aos efeitos visuais e sonoros e na parte de edição. Foi influência direta para vários filmes, de ficção científica ou não, futuramente. Pena que a trilogia se perdeu nos dois filmes seguintes, mas acho que isso acontece. É raro e difícil manter um nível como esse.

  3. Pingback: Os Melhores Filmes de Ficção Científica | Cultura intratecal
  4. para min era o primeiricimo da lista eu amo ,gosto de ouvir e ler sobre esse filme . uma boa referência para vc pensar no mundo o q parece ser será q é real.
    eu ñ tinha idade para ver no cinema mas assisti ele pela tv já assisti umas 4veses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s