Guerra ao Terror

Título original: The Hurt Locker
Ano: 2008
Diretor: Kathryn Bigelow

Guerra ao Terror estreia neste final de semana nos cinemas brasileiros e eu não tenho medo de recomenda-lo a todos. Este filme de guerra dirigido por Katryin Bigelow (ex-mulher de James Cameron) foi indicado a 9 Oscars, além de ter ganho vários prêmios importantes, como o Directors Guild of America. E não foi obra de marketing, pois o filme é excelente.

Nós acompanhamos a história de um esquadrão de bomba no meio da guerra do Iraque. Isso quer dizer perigo. Temos noção desse perigo logo na cena inicial, quando um soldado interpretado por Guy Pearce tem que desarmar uma bomba, mas as coisas não dão muito certo.

Um novo especialista assume o posto, trata-se do Sargento de Primeira Classe William James (Jeremy Renner). Ele personifica muito bem as legendas no início do filme, que dizem que “a guerra é uma droga”, mas droga no sentido de ser viciante. É isso mesmo. A guerra vicia. Ele me fez lembrar do clássico personagem de Robert Duvall em Apocalypse Now, que adorava sentir o cheiro de Nalpam pela manhã.

A interpretação de Jeremy Renner é digna de um astro do mais alto nível. Ele se destaca sempre que aparece na tela, como um competente e um tanto irresponsável especialista.

Este é um filme de guerra extremamente tenso. Todas os acontecimentos deixam os personagens nos seus limites e a diretora Kathryn Bigelow consegue criar uma carga de suspense muito forte. Aquela cena no meio do deserto envolvendo um Sniper inimigo é prova disso. Sentimos que a vida dos soldados está sempre por um fio e isso é um feito digno de admiração.

Temos muito suspense, ótimas atuações e cenas realmente fortes. Uma delas pode ser considerada a cena mais forte do ano, ganhando até das cenas de canibalismo de A Estrada.

Eu diria que filmes bons também são viciantes e Guerra ao Terror é um exemplo disso.

Nota: 9

– Por B. Knott

Anúncios

26 comentários sobre “Guerra ao Terror

  1. Gosto de “Guerra ao Terror”. Acho a direção forte, a montagem excelente e acredito ser bem atuado. Mas o filme não me comoveu ou elevou minhas emoções. O achei ótimo, mas de uma forma redonda. Seu reconhecimento nas premiações é alienígena para mim.

    Nota 8,0

  2. Todo esse reconhecimento está deixando minha curiosidade lá em cima. Alguns o apontam com superestimado, e como já tive a surpresa com “Amor sem Escalas” prefiro achar que “THL” seja realmente bom.

  3. Olá Bruno,
    Enquanto lia sua resenha, pensei em Jeremy Renner e em sua performance em Guerra ao Terror e concluí que ele mereceu esta indicação ao Oscar mais por sua expressividade audaciosa de desmontar bombas do que o diálogo em si. Ele quase não abriu a boca, isso é um fato, mas o bacana da atuação dele é exatamente a força visual que ele imprime à sua função. bjs!

  4. Preciso vê-lo logo. Confesso que não gosto muito de filmes de Guerra, grande exemplo nunca quis ver O Resgate do Soldado Ryan (será que estou perdendo um bom filme?).

    Mas Guerra ao Terror, após esta repercussão toda, e vi várias cenas dele. Não é que é convidativo!

    Atuações e emoções fortes. Em meio ao caos que é o cenário da Guerra! Ótima sugestão!

    Abraço

  5. Acho que são dois, os pontos fortes de Guerra ao Terror e que o fazem grande: 1) Sua completude e 2) A regularidade narrativa.

    Por completude entenda que ele possui, ação, análises sobre o comportamento dos militares em campo de batalha, suspense, boas atuações, efeitos especiais, bom roteiro, e que é um longa americano, mas que não está simplesmente interessado em demonstrar que eles são os defensores da democracia.

    Por regularidade, penso que se mantem do início ao fim um clima de tensão na trama, ou seja, sua proposta de trabalho é mantida de ponta a ponta da película.

    Para mim, só não é melhor que Bastardos Inglórios.

    Abraço!

    1. Caramba, concordo plenamente com o seu comentário. Deve ter havido muita pesquisa para que isso fosse feito.

      E para mim também, so não é melhor que Bastardos. (dos indicados ao Oscar).

      Abraços.

  6. Tô doida para ver este filme, mas não encontro ele aqui em DVD ou nos cinemas, uma vez que, para variar, ficou de fora das estreias aqui de minha cidade.

  7. Para mim é o grande relato do conflito no Oriente. Tudo nele fuciona, a direção, os atores, a fotografia, o enredo. Acho um belo exemplo de como se fazer um filme de guerra.

    1. Verdade, né? Amor Sem Escalas foi outro filme que curti muito.

      Se ganhar Hurt Locker ou Bastardos Inglórios, ficarei satisfeito com o Oscar esse ano.

      Abração.

  8. É um dos melhores filmes da temporada, sem dúvida alguma, tendo como maiores destaques o Renner e, claro, a direção de Bigelow.

  9. Hurt Locker (prefiro chamar assim por que essa tradução do título foi bem infeliz) é um sucesso em todas as áreas: uma direção muito forte e segura da Bigelow; interpretações ótimas (além do renner, eu gostei muito do Mackie que merecia mais atenção na temporada de premiações) e é tecnicamente perfeito.

    Sem dúvida o melhor filme de guerra da última década. Tenso, forte, ótima ação e muita qualidade.

  10. oi bruno
    e ae blz?
    brigado pela sua visita lá no meu blog cara
    depois de auto escola agora facul começou e meio q não to atualizando tanto o blog nem visitando os outros, mas vlw mesmo

    naun tava mto afim de ir ver esse naun, confesso
    embora goste desses temas e tenha alguns na minha coleção, achei meio estranho. mas depois do q disse, das cenas e tal, mudei de idéia. obrigado hehe visualizei a primeira que vc comentou.

    abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s