Educação (2009)


NOTA: 8

O tema principal de Educação não é uma novidade, mas ele é tão bem trabalhado pelo roteiro de Nick Hornby e conta com uma fantástica atuação de Carrey Mulligan que deixamos isso de lado. Mulligan interpreta Jenny, uma garota de 16 anos que vive na Inglaterra dos anos 60. Ela estuda em um colégio só de meninas e recebe grande pressão do pai para entrar em Oxford. Ela se dedica, vai bem nas notas e é extremamente culta para a idade. Jenny lê Camus, escuta música francesa e toca violoncelo. Parece ter um futuro intelectualmente garantido.

As coisas mudam quando conhece David, um homem com o dobro da idade dela. Ele rapidamente conquista a garota com seu charme, com idas a restaurantes sofisticados, a alguns programas culturais e até mesmo com uma viagem à Paris. Jenny se apaixona e rapidamente começa a se questionar se vale a pena estudar tanto e perder muitas coisas que a vida pode oferecer. David conquista até mesmo os pais de Jenny, que acreditam que um casamento entre os dois seria uma ótima maneira da garota resolver a vida.

É claro que a gente desconfia de David desde a primeira cena em que ele aparece. O diretor Lone Scherfig nos faz acreditar que alguma coisa vai acontecer, só não sabemos exatamente o que e nem quando. Qual a real intenção de David e quem ele realmente é? A resposta oferecida soa clichê, mas mantém a coesão do filme. O destaque é mesmo Carrey Mulligan. Ela transmite de maneira competente os dois lados da personagem: o maduro e também o inocente.

A história de uma garota passando da adolescência para a idade adulta já foi muito bem explorada por aí. Não é fácil pegar um tema batido como esse e transformar em um filme pra lá de interessante. Palmas para Nick Hornby, Lone Scherfig e principalmente Carrey Mulligan, que tem potencial para se tornar uma das grandes atrizes da nossa época.

Título original: An Education
Ano: 2009
País: UK / EUA
Direção: Lone Scherfig
Roteiro: Nick Hornby
Duração: 100 minutos
Elenco: Carrey Mulligan, Olivia Williams, Alfred molina, Cara Seymour, Peter Sarsgaard, Amanda Fairbank-Hynes, Dominic Cooper

/bruno knott

Anúncios

14 comentários em “Educação (2009)

  1. Um Ótimo texto, a Carey Mulligan está muito bem nesse filme e mostra que é uma atriz de alto nível. fico no aguardo de Never Let Me Go, as críticas para a atuação dela estão muito boas também.

    Te Linkei no meu blog e vou ficar te seguindo. Abs.

  2. Concordo que Carrey Mulligan está se revelando a cada dia, e concordo que o filme é interessante, mas o roteiro não me conquistou tanto, apesar do Oscar. Acho que esse previsibilidade de David talvez, não sei. Algo ficou faltando.

    bjs

  3. O que eu mais gosto neste filme é o choque que ele faz entre a educação formal, a educação dos nossos pais e a educação da vida. Acho que este confronto é o ponto forte da obra, junto com as performances de Carey Mulligan e Alfred Molina.

  4. Gostei mais um pouquinho do que você, Bruno, dei o equivalente a uma nota 9 (duas estrelinhas). Toda vez que vejo um filme com Peter Sarsgaard fico desconfiada do personagem. Imagino que sejam seus papéis em outros filmes.

  5. Eu adoro esse filme (inclusive, acho subestimado) e a Carey Mulligan merecia o Oscar desse ano. No entanto, nos últimos tempos, tenho começado a desconfiar se essa atuação não foi jogada de sorte dela… Digo isso porque ela está muito chata em outros filmes como “Wall Street” e “Em Busca de Uma Nova Chance”, sempre com aquela expressão de choro o tempo inteiro…

  6. Eu gostei mais das atuações do que da história em si. Achei até o final meio óbvio. Mas daria um 7, por se tratar de um roteiro do Nick Hornby, a quem admiro como romancista.

  7. Gosto bastante de “Educação” também, nossa nota é a mesma. Acho um filem arrojado e elegante, com uma história bem desenvolvida pelo Hornby e com atuações significativas. Sobretudo, como você ressalta, a de Carey Mulligan, excelente em cena e uma gracinha de inglesa *.*

    Tem um futuro promissor pela frente e se persistir na escolha de bons trabalhos, ninguém vai segurá-la.

    abs!

  8. Sinceramente, nao sou dos maiores admiradores desse filme. Embora aplauda o ótimo trabalho de Carey Mulligan, acho que o roteiro força os personagens a soarem um tanto bobos em suas perspectivas de vida. A reviravolta do final é bem previsível e fraca, tudo me soa muito banal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s