Crítica: Uma Noite Alucinante 3 (1992)

Uma Noite Alucinante 3 (Army of Darkness) não é um filme de zumbis propriamente dito, mas eu diria que esqueletos que saem de baixo da terra e formam um exército próprio podem ser considerados mortos-vivos. Portanto, é justo que eu inclua este filme no meu projeto de analisar e listar os melhores do gênero.

O diretor Sam Raimi alcançou uma certa moral após os sucessos de Evil Dead e Evil Dead II. Isso possibilitou que ele tivesse o respeitável orçamento de 13 milhões de dólares e liberdade suficiente para criar uma aventura que brinca com viagem no tempo, que é cheia de ação, humor, cenas bizarras, além de contar com uma ou outra cena de horror e trash.

Depois dos acontecimentos do filme anterior, Ash (Bruce Campbell) é transportado para o ano de 1300 DC. Primeiro ele é tido como um inimigo do povoado, mas depois o mago local informa que Ash é o prometido das escrituras. É ele quem vai recuperar o livro Necronomicon e salvar a todos. Bem, isso na teoria. Ash não consegue decorar 3 palavras mágicas e sua tentativa de contornar a situação com um “jeitinho brasileiro” não funciona, o que faz despertar o exército dos mortos.

O filme tem menos de 80 minutos, então não dá para esperar uma história e personagens muito bem desenvolvidos. Valorizar esses aspectos não é a proposta de Sam Raimi aqui. Isso pouco importa. Ver Ash com suas frases e atitudes do século XX em pleno século XIV diverte bastante. “Good. Bad. I’m the guy with the gun” e “That’s it, go ahead and run. Run home and cry to mama!” são só alguns exemplos.

Para completar tem a fantástica batalha com o exército de esqueletos, momento em que vemos cenas peculiares. Sobra espaço para esqueletos bocejando, tocando gaita de fole, flauta e até fazendo referências aos Três Patetas.

Por ser um tanto repetitivo o final não agrada. De qualquer forma, existe um final alternativo que eu considero mais interessante, apesar de sombrio.

Boa diversão para quem não se importa com furos no roteiro e excessos de bizarrices.
IMDb

Anúncios

10 comentários sobre “Crítica: Uma Noite Alucinante 3 (1992)

  1. A serra na mão do Ash (?) me horripila. Acho que não terei coragem de assistir a esse filme, a não ser que um de meus filhos alugue, faça uma pipoca e me convide…

  2. Opa, outro pra colocar na lista!

    O que eu sempre acho fodástico são esses posters super bem ilustrados. E o filme nem é tão antigo pra usar esse recurso que é mais comum em filme mais velho né… isso é frequente nos filmes de mortos-vivos?

    Abs!

  3. Cara, desde de quando eu era criança não via esse filme. por saudosismo resolvi baixa-lo e pra minha surpresa, baixei a versão com o final alternativo. Massa, realmente gostei mais do que a do final que já conhecia.
    O mais impressionante é que tá rolando no face uma critica as comédias atuais, que requerem a exibição explicita de bundas e peitos pra atrair o publico. Re assistindo esse filme pude ver como antes as coisas podiam ser bem mais atrativas sem apelar pra sexualidade já tão explicita.

    Pra quem não conhece o filme, vale muito mais a pena que uns títulos recém lançados ))))

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s