Crítica: A Vila (2004)

Os críticos e boa parte do público pegaram pesado com Shyamalan no lançamento de A Vila. O descontentamento foi grande, principalmente pela reviravolta final que se mostra forçada em uma segunda assistida. Concordo que existem furos no roteiro que comprometem nossa aceitação dos rumos da história, mas nada impede que relevemos algumas situações. Certamente, a jornada valerá muito mais a pena. Com um olhar menos crítico (ou menos ranzinza), é possível mergulhar nessa história que é ao mesmo tempo uma metáfora da política do medo e também uma historinha de bicho-papão em uma escala maior do que estávamos acostumados quando crianças. A maneira com que os anciões fazem todos acreditarem no perigo que representa o simples fato de entrar na floresta é assustadora. Shyamalan, mais uma vez, cria uma atmosfera de tensão utilizando-se de sutilezas, até o momento em que ele julga adequado mostrar um pouco mais. E o momento se mostra sempre correto. Ele é um grande contador de histórias e A Vila é mais uma prova. O diretor não se contenta só em criar um suspense de qualidade e também trabalha temas como o amor, violência e até humor. Para tudo isso funcionar ele conta com um elenco de primeira, encabeçado por Bryce Dallas Horward, Joaquin Phoenix, Adrien Brody e William Hurt. Sinceramente, A Vila oferece quase tudo o que eu espero de um bom filme.
7/10
IMDb 

Anúncios

9 comentários sobre “Crítica: A Vila (2004)

  1. Sem querer ser ranzinza, hehehe, o que me incomoda em A Vila não nem a reviravolta, pois você tem razão quando diz que faz sentido. O pior é a hora em que ele revela isso, tornando toda a jornada da moça na floresta uma grande tolice. Mas, não é dos piores filmes. Gosto até no geral.

    bjs

  2. Bruno, tudo beleza??

    Resolvi tirar um tempo nas férias pra visitar os antigos blogs amigos, pois fazia meses que não tinha oportunidade!!

    Legal saber que tu tbm gostou de A Vila! Contrariando muita gente, sou mais fã de A Vila do que de O Sexto Sentido! Claro, há algumas falhas bem visíveis e o final é meio decepcionante, mas toda a atmosfera criada antes do desfecho, todo o uso primoroso da parte técnica (a excelente trilha sonora de James Newton Howard, por exemplo), tudo é tão bem executado e funciona tão bem, que o final pouco importou pra mim!

    Abraço.

    1. E ai parceiro, bele?

      É exatamente isso. O clima que o Shyamalan consegue impor durante todo o filme é de se tirar o chapeu. Não entendo quem condena ele pelo final e esquece do resto.

      Abraços!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s