A Malvada (1950)

O que dizer de um filme que é indicado a 14 Oscars e vence 6, que sempre está no topo de conceituadas listas de melhores filmes e faz parte do top 250 do IMDb? Claramente é uma experiência que agrada tanto aos críticos profissionais quanto ao público. E não é para menos.

A Malvada se destaca principalmente por dois motivos: as atuações e o roteiro. Não que tecnicamente ele não seja bom. O diretor Joseph L. Mankiewicz realiza um trabalho correto, sem inovações e sem exercícios de estilo, algo essencial para o filme funcionar. Ele simplesmente deixa os atores e atrizes darem vida ao roteiro e isso eles fazem de uma maneira magnífica.

Mas do que se trata esse clássico? Temos aqui uma história sobre os bastidores do teatro, sobre os atores, atrizes, roteiristas e diretores que fazem o espetáculo acontecer. Margo é a estrela absoluta que está começando a sentir a idade pesando nas escolhas de roteiros e Eve é a admiradora número um de Margo, mas que na verdade sonha em tomar o lugar dela.

A maneira com que Eve busca esse sonho é algo maquiavélico. A princípio ela toma atitudes aparentemente inocentes, mas aos poucos vamos percebendo o quão baixo ela pode chegar para atingir sua meta. Ela se utiliza de um sangue frio invejável, preferindo mil vezes o sucesso do que manter uma relação pessoal sincera. Quando entendemos quem Eve realmente é até temos uma surpresa, mas as pistas estão lá desde o começo.

Margo, no início, nos desperta uma certa antipatia pelo seu excesso de estrelismo, mas com o tempo passamos a compreende-la melhor e acabamos nos conectando com ela, o que só demonstra o excelente trabalho da atriz Bette Davis, que foi indicada ao Oscar, mas infelizmente não levou o prêmio.

Trata-se de um filme recheado de diálogos significativos, com humor ácido, cinismo, sarcasmo e até um pouco de romance. É uma tarefa impossível encontrar um diálogo desnecessário. Tudo o que é dito merece ser dito, algo que colabora bastante para o desenvolvimento dos personagens e do filme como um todo.

Para realçar essa falta de apego a amizades sinceras e a ideia de que vale tudo pela fama, temos um desfecho dos mais inspirados mostrando que o ciclo não vai deixar de se repetir.
8/10 

Anúncios

5 comentários em “A Malvada (1950)

  1. “A Malvada”, pra mim, é um daqueles clássicos indiscutíveis do cinema. Uma obra maiúscula com uma excelente direção, grandes atuações e um roteiro primoroso, que desenvolve tão bem os personagens, a natureza do relacionamento entre Eve e Margo Channing. Adoro! Adoro mesmo!

  2. Boa a sua pergunta inicial. Quem gostou do filme poderá chover no molhado, afinal, elogios é o que não falta a esse clássico. Mas, e quem não achou nada demais? É complicado… É um filme que entretém, tem boas atrizes, um pano de fundo interessante mas que, francamente, não me deixou boquiaberto. Gosto de filmes impactantes e visuais, só trololó não me impressiona. Ainda assim, trata-se de um clássico inegável.

    1. Eu tb prefiro experiências visuais diferenciadas, tanto que Kubrick e Tarkovsky estão no meu top 5 de diretores… mas os diálogos e as atuações de All About Eve foram mais do que suficientes pra eu curtir bastante o que vi, mas não o suficiente pra uma nota maior que 8!

      abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s