Crítica: Na Neblina (V tumane, 2012)

in-the-fog-2012Dono de um ritmo lento e contemplativo, o filme Na Neblina nos transporta para a Rússia ocupada durante a Segunda Guerra Mundial. Investindo em longas cenas sem cortes e em uma fotografia primorosa, o diretor Sergei Loznitsa consegue nos mostrar a dolorosa realidade daquele povo. Na trama, acompanhamos um partisan querendo vingar a morte de seus companheiros. Ele acredita piamente que Sushenya foi o traidor. Com flashbacks reveladores, vamos compreendendo exatamente o que aconteceu. Na Neblina exige um pouco de calma do expectador, mas o recompensa em grande estilo. Este é um retrato dos mais fiéis daquele período, permitindo uma imersão completa. Aqui não precisamos ver cenas de batalha para sentir os horrores da guerra. O clima do filme é pesado, assim como a cena final.
8/10

2 comentários sobre “Crítica: Na Neblina (V tumane, 2012)

  1. Achei o filme anterior de Loznitsa tão pesado e desesperançoso que até hoje não tive vontade de conferir esse novo. Pelo que você escreveu, ele não amoleceu nem um pouco. Tem que estar num dia propício para adentrar um filme desse tipo…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s