Crítica: Medianeras (2011)

medianeras-2011-posterEsta foi uma dica do parceiro Marcio Melo, do Porra, Man!

Dirigido por Gustavo Taretto, Medianeras é uma comédia romântica argentina que possui um olhar apurado e um tanto pessimista sobre os avanços tecnológicos a que somos expostos, nos estimulando a fazer reflexões sobre como eles influenciam o nosso dia a dia.

medianeras-2011-6Martín, em uma interessante narração em off, nos deixa a par dos seus problemas de saúde e também dos problemas da cidade de Buenos Aires. Ele é um hipocondríaco que anda com antibióticos e ansiolíticos dentro da mala, além de mostrar sinais de fobia social. Como ele mesmo nos informa, bateu todos os recordes possíveis em seus jogos de vídeo-game. Só por aí já percebemos o tamanho de sua solidão.

medianeras-2011-5Mariana é uma arquiteta que mesmo com 2 anos de formada ainda não realizou nenhuma obra. Assim como Martín, ela tem um passado ruim em termos de relacionamentos e agora enfrenta incertezas em relação ao futuro.

medianeras-2011-4Mariana e Martin moram em prédios opostos, mas não se conhecem. Torcemos para que os dois se encontrem e iniciem alguma conversa, pois possuem muita coisa em comum. Chega a ser cruel ver os dois tão perto em algumas situações e não interagirem.

medianeras-2011-3Mesmo com uma relativamente curta duração, os dois personagens são muito bem desenvolvidos. Conseguimos entender e nos identificar com eles rapidamente, algo que se deve ao roteiro bem escrito e também às competentes atuações de Javier Drolas e Pilar López de Ayala. Tudo em Medianeras soa real e atual. O filme sempre nos incentiva a pensar sobre os malefícios de um mundo cada vez mais digital. Será que a internet nos aproximou ou nos deixou mais isolados, cada um em seu canto? E isso vale também para as mensagens no celular, que, como diz Mariana, transformaram a linda língua castelhana em algo gutural e apressado.

medianeras-2011-2A pegada indie fica bem evidente e combina bem com a trama, assim como as inúmeras referências, que vão desde Star Wars até Woody Allen. Infelizmente, algumas coisas ficam um tanto mal acabadas, como o destino de alguns personagens que entram e saem da história muito rapidamente. E o último acaba pecando por ser um pouco arrastado. A sorte é que a última cena é carregada de emoção e nos permite relevar alguns deslizes.

medianeras-2011Medianeras investe em tema relevante, que é abordado de maneira inteligente e com muita sensibilidade. Há uma certa melancolia presente no ar, mas também a esperança de dias melhores. No final das contas, é um feel good movie com qualidades suficientes para se tornar inesquecível.
8/10

4 comentários sobre “Crítica: Medianeras (2011)

  1. Valeu pela citação, que bom que gostou do filme.

    Acho ele excelente apesar de ter uma coisinha ou outra que pudesse ser melhorada, e na época que eu vi estava numa condição muito similar a do personagem principal, e essa identificação imediata me deixou ainda mais emocionado com ele.;

    Um filme imperdível.

  2. É um excelente exemplo dos tempos fluidos que vivemos. Poucas das nossas relações são físicas, e constantemente, são descartáveis com um clique de um botão. Excelente filme com temática contemporânea.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s