Crítica: Grande Hotel (1932)

grande-hotel-1932A ideia da MGM era reunir um elenco de estrelas da época e criar uma trama em que todos pudessem se destacar. Deu certo. Foram escalados para o filme Greta Garbo, John Barrymore, Joan Crawford, Wallace Beery, Lionel Barrymore e Lewis Stone. Grande Hotel foi um sucesso de público e também de crítica. Curiosamente, levou o Oscar de Melhor Filme  sem ter sido indicado a nenhum outro prêmio. Fato único na História do cinema.

Todos os personagens são hóspedes do Grande Hotel de Berlim. Cada um possui algum tipo de conflito e eventualmente acabam interagindo de alguma maneira. No meio de tantas estrelas, quem roubou a cena foi Joan Crawford, que conseguiu empalidecer a inesquecível Greta Garbo. Em 1946, Crawford levou o Oscar de Melhor Atriz por seu trabalho em Alma em Suplício, além de ter sido indicada mais duas vezes ao longo da carreira.

O filme flui muito bem, algo que se deve a qualidade do elenco e a direção segura de Edmund Goulding. No mais, Grande Hotel é um interessante retrato de uma era particularmente difícil para os americanos, que ainda sentiam os efeitos da Grande Depressão.
7/10

2 comentários sobre “Crítica: Grande Hotel (1932)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s