Crítica: O Diabo a Quatro (1933)

duck_soup1Muitos críticos consideram O Diabo a Quatro o melhor trabalho dos irmãos Marx. Ele foi lançado na época da Grande Depressão americana e isso foi decisivo para o fracasso nas bilheterias. Felizmente, o filme foi redescoberto alguns anos depois e hoje em dia é muito celebrado. A trama simples mostra o conflito entre as nações de Freedonia e Sylvania, o que permite que seja feita uma crítica contra a guerra e as atitudes de alguns líderes. Os números musicais são reduzidos e estão longe de atrapalhar. Em pouco mais de uma hora, somos bombardeados por inúmeras situações eficientes de humor físico e diálogos cheios de trocadilhos, ambiguidades e ironias, entregados com um timing cômico perfeito por Groucho Marx. Destaque, também, para a pantomima do inquieto e abusado Harpo. Como não se encantar com o número do chapéu ou a impagável sequência do espelho? Geniais, como a carreira destes irmãos que ajudaram a definir a comédia no cinema.
7.5/10

 

Um comentário sobre “Crítica: O Diabo a Quatro (1933)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s