Crítica: Operação Dragão (1973)

enter-the-dragonConsiderado por muitos como o melhor filme de Bruce Lee, Operação Dragão também ficou marcado por ter sido o último trabalho deste mestre das artes marciais, que faleceu poucas semanas depois do lançamento do filme, com apenas 32 anos de idade.

Em termos de narrativa, Operação Dragão não oferece nada de realmente interessante. Trata-se de uma história no estilo James Bond, com Bruce Lee interpretando um agente infiltrado em um torneio de artes marciais, com o objetivo de encontrar provas contra o dono da ilha onde se passa o torneio, um conhecido fabricante de drogas e armas.

Deixando de lado a falta de lógica e os diálogos pouco inteligentes, temos aqui sequências espetaculares de kung-fu. É sempre bom ver um gênio fazendo o que sabe fazer e Bruce Lee sabia lutar como ninguém. As cenas são coreografadas da melhor maneira possível, com muita plasticidade, criatividade e beleza, contando ainda com o bom uso da câmera lenta.

A diversão é garantida e a oportunidade de ver Bruce Lee no seu auge não deve ser desperdiçada.
7.5/10

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s