Crítica: A Luta Pela Esperança (2005)

Das Comeback

Sempre tive preguiça de assistir a Luta Pela Esperança, um pouco por se tratar de boxe – um tema já muito abordado – e, também, pela relativamente longa duração. Não que se trate de umótimo filme, mas o fato é que fui surpreendido por suas qualidades e quase me arrependi de ter esperado tanto tempo para “encará-lo”.

O roteiro é baseado na história de James Braddock, uma verdadeira lenda do esporte. Como a maioria das adaptações cinematográficas, várias modificações foram feitas, algumas gerando resultado positivo e outras nem tanto.

Tudo se passa nos anos que se seguem a Grande Depressão, provavelmente o pior período enfrentado pelo povo americano. James Braddock e sua família foram uma das muitas vítimas daquela trágica realidade. Por um excesso de derrotas, lesões e pela falta de dinheiro, Braddock teve que largar o boxe e tentar arranjar algum dinheiro em serviços temporários, algo nem sempre possível.

O pior momento de vida dele e também o momento de maior impacto emocional do filme, se dá quando Braddock deixa o orgulho de lado e vai pedir dinheiro para alguns de seus conhecidos.

Eis que a oportunidade de voltar aos ringues cai dos céus. O problema é que um de seus próximos adversário é dos mais brutais, tendo, inclusive, matado dois oponentes com seus potentes golpes.

A Luta Pela Esperança não se esforça para fugir da fórmula dos filmes de esporte e exagera ao transformar Max Baer em um vilão de caráter desprezível. Os 144 minutos de duração também se tornam um defeito, já que nem todas as cenas se mostram realmente importantes para a história.

Apesar de tudo, graças a eficiente direção de Ron Howard e as inspiradas atuações de Russell Crowe e Paul Giamatti (indicado ao Oscar de ator coadjuvante por esse trabalho), conseguimos nos envolver com todo o drama vivido pelo lutador e ainda experimentamos um pouco de suspense na luta final. Aliás, é mesmo dentro do ringue que A Luta pela Esperança se destaca. As lutas são mostradas com muita brutalidade e competência técnica, com direito a boas doses de emoção.

Não é um filme que eu assistiria novamente, mas não poso negar que tive uma boa experiência e que me sinto à vontade para recomendá-lo, principalmente para os que tem mais afinidade pelo tema.
8/10

Um comentário sobre “Crítica: A Luta Pela Esperança (2005)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s