Crítica: Sniper Americano (2014)

american-sniper-6

Não consigo entender a birra que alguns tem com Sniper Americano. Muitos criticam uma suposta glorificação dos Estados Unidos e dos soldados em meio a guerra do Iraque, algo que não consegui enxergar aqui. Clint Eastwood apenas relatar os quatro turnos de um soldado e sua dificuldade em se reinserir na sociedade. Além disso, em vários momentos o filme faz críticas a guerra e ao papel desempenhado pelos Estados Unidos. Esse patrulhamento e o ódio contra os americanos é muito exagerado. Que tal analisar o filme pelo o que ele é? Dica: não se trata de uma aula de geopolítica.

O fato é que estamos diante de um filme mediano. Praticamente todos os temas apresentados aqui já foram abordados com qualidade superior anteriormente, como exemplo podemos citar Guerra ao Terror e até mesmo Nascido em 4 de Julho.

O que faz de Sniper Americano merecedor de certo reconhecimento é a intensa atuação de Bradley Cooper, uma cena envolvendo o personagem dele e uma criança e a sequência de batalha no final. Eastwood entrega um filme de guerra competente, mas que não possui a menor chance de entrar no rol de melhores do gênero. Poderia facilmente ter cedido o seu lugar entre os indicados ao Oscar para O Abutre ou Garota Exemplar.
[7.5]

Um comentário sobre “Crítica: Sniper Americano (2014)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s