Crítica: O Selvagem (The Wild One, 1953)

marlon-brando-wild-one

O Selvagem é um daqueles casos de um filme que marcou época, mas que não envelheceu muito bem. Marlon Brando interpreta o líder de uma gangue de motoqueiros que invade uma cidade e arruma um pouco de confusão. Se formos comparar com as atrocidades cometidas hoje em dia, o que esses jovens faziam não era nada demais. Um pouco de álcool, muito barulho, troca de socos, tentativas de abordar mulheres locais, dar zerinhos com as motos e assim por diante. Não consigo ver uma história relevante aqui. O filme serviu mesmo para impulsionar a carreira de Marlon Brando e também a venda de jaquetas de couro, pelo jeito. A ideia era mostrar que a juventude estava ficando um tanto delinquente, um tanto rebelde sem ter uma causa específica. A teatralidade de algumas atuações e a falta de uma trama mais elaborada tornam a experiência pouco interessante. As lições de moral também incomodam um pouco. De qualquer forma, a duração é bem curta, não há tempo para nos entediarmos. E vale a pena também para vermos um grande ator em início de carreira.
[6.5]

2 comentários sobre “Crítica: O Selvagem (The Wild One, 1953)

  1. Essa imagem de Marlon Brando faz parte do clássico cinematográfico. Mas, nunca assisti ao filme.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s