Crítica: Tudo Pelo Poder (2011)

the-ides-of-marchGostar de política não é pré-requisito para admirar este espetacular Tudo Pelo Poder. O filme mostra o jogo político por trás das eleições primárias que definirão o representante democrata para as eleições presidenciais americanas. Espere por atos pouco éticos, reviravoltas, surpresas e tensão. Uma autêntica atmosfera de thriller é empregada pelo diretor. Cada manchete de jornal pode ser responsável por uma grande mudança no rumo das votações, seja a tal manchete verdadeira ou não. Além do sempre intrigante roteiro, o destaque aqui fica para as atuações. Só tem gente boa! George Clooney, Paul Giamatti, Philip Seymour Hoffman e Ryan Gosling conseguem nos deixar totalmente envolvidos com a trama, que passa voando. Se você gosta de House Cards, é mais do que certo que irá ter uma bela experiência com Tudo Pelo Poder.

5

4 comentários sobre “Crítica: Tudo Pelo Poder (2011)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s