Crítica: O Joelho de Claire (1970)

o-joelho-de-claire

Eric Rohmer, um dos colaboradores da lendária revista Cahiers du Cinema e um dos principais nomes da nouvelle vague francesa, dirigiu seis filmes que fazem parte dos chamados Seis Contos Morais. Um deles é O Joelho de Claire. A trama mostra o experiente Jerome passando férias no lago D’aneccy. Lá ele encontra uma amiga de tempos antigas, a escritora Aurora. Na interação dos dois já podemos notar um dos pontos fortes do filme: os diálogos. As coisas ficam mais interessantes quando Aurora estimula Jerome a seduzir as duas jovens que compartilham a casa em que ela está hospedada. Aos poucos, Jerome passa a se encantar pelo joelho de Claire e botar a mão nele é a coisa que ele mais deseja no momento. A cena final é daqueles momentos inesquecíveis do cinema. Ainda mais quando a cena é comentada com inteligência, ironia e até humor pelos próprios personagens. O Joelho de Claire tem um ritmo mais lento, muitos diálogos e algumas ideais  debatidas. Se você gostar deste, sugiro ir atrás do restante dos tais contos morais. Essa foi minha primeira incursão no cinema de Rohmer e posso dizer que me empolguei com o que vi.

298

2 comentários sobre “Crítica: O Joelho de Claire (1970)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s