Autor: bruno knott

Crítica: O Joelho de Claire (1970)

o-joelho-de-claire

Eric Rohmer, um dos colaboradores da lendária revista Cahiers du Cinema e um dos principais nomes da nouvelle vague francesa, dirigiu seis filmes que fazem parte dos chamados Seis Contos Morais. Um deles é O Joelho de Claire. A trama mostra o experiente Jerome passando férias no lago D’aneccy. Lá ele encontra uma amiga de tempos antigas, a escritora Aurora. Na interação dos dois já podemos notar um dos pontos fortes do filme: os diálogos. As coisas ficam mais interessantes quando Aurora estimula Jerome a seduzir as duas jovens que compartilham a casa em que ela está hospedada. Aos poucos, Jerome passa a se encantar pelo joelho de Claire e botar a mão nele é a coisa que ele mais deseja no momento. A cena final é daqueles momentos inesquecíveis do cinema. Ainda mais quando a cena é comentada com inteligência, ironia e até humor pelos próprios personagens. O Joelho de Claire tem um ritmo mais lento, muitos diálogos e algumas ideais  debatidas. Se você gostar deste, sugiro ir atrás do restante dos tais contos morais. Essa foi minha primeira incursão no cinema de Rohmer e posso dizer que me empolguei com o que vi.

298

Show: Muse – São Paulo (2015)

muse-sao-paulo-2015

Faz tempo que me considero um fã do Muse. Minha admiração pelo trio britânico começou quando escutei o álbum Absolution há praticamente 10 anos. A partir daquela época, fui atrás dos álbuns anteriores e acompanhei de perto os lançamentos da banda. Confesso que atualmente não escuto Muse tanto como antes,  mas não iria deixar essa oportunidade passar. Finalmente havia chegado o momento de conferir de perto uma apresentação dos caras, apesar do preço abusivo dos ingressos.

Chegamos dentro do Allianz Parque umas 2 horas antes do horário previsto para iniciar o show e o que chamou a atenção logo de cara foi a quantidade de espaços vazios. Parece que o Muse ainda não tem aquela fama para lotar arenas no Brasil. De qualquer forma, na hora que eles começaram a tocar o estádio estava mais cheio. De acordo com a produtora do evento, 27 mil almas acompanharam a performance dos caras.

Uma coisa que aprendi: se você quer realmente se empolgar e sentir o show, nada de ficar em qualquer lugar que não seja a pista. Essa foi a primeira e – possivelmente – a última vez que resolvo pegar a cadeira inferior. A única coisa boa é ter uma visão privilegiada da banda e da galera, mas o bacana é estar lá no meio.

O setlist foi curto, mas muito bem equilibrado. Tivemos as músicas novas no começo. Psycho é uma ótima opção para abrir o show, com seus riffs pesados e diretos, fazendo todo mundo pular. Plug in Baby potencializa isso tudo e facilmente torna-se um dos destaques do show.

As coisas esfriam um pouco com algumas músicas mais recentes, mas pelo menos Dead Inside se revela ótima ao vivo e é mais uma oportunidade para Matt Bellamy mostrar seu talento.

Muscle Museum é tipo uma homenagem para os fãs antigos. O cara que sabe cantar essa do começo ao fim pode ser considerado fã de carteirinha.

A partir daí foi uma porrada atrás da outra. Madness, Supermassive Black Hole, Time is Running Out, Starlight, Uprising. Público cantando junto e pulando. Para o bis, Mercy e Knights of Cydonia, fechando com propriedade.

É uma pena que logo quando o show empolgou de fato, ele terminou. Será que deu 1 hora e meia no total? Passou tão rápido. Ficou evidente a qualidade técnica, os refrões incríveis cantados como se fossem hinos, a produção caprichada, mas faltou algo. Uma interação maior? Uns 30 minutos a mais? Provavelmente.

Saímos satisfeitos, mas com a noção de que eles poderiam ter feito um pouco mais.

Crítica: Tempo de Glória (1989)

tempo-de-gloria-1989

Tempo de Glória conta um episódio relativamente pouco conhecido sobre a Guerra Civil Americana. Baseado em fatos reais, mais especificamente nas cartas do Coronel Shaw, a trama nos mostra a criação e o treinamento de um regimento da infantaria composto apenas por soldados negros. Contando com ex-escravos do norte e escravos fugitivos, o regimento, a princípio, não veria combate. Apesar de abolicionista, não dava para dizer que o norte era livre de racismo e preconceito. Por serem considerados inferiores, os negros não poderiam lutar e ainda receberiam um salário menor do que os brancos. Mas esse grupo de soldados vai fazer de tudo para mudar isso, contando com a ajuda do comandante branco. Tempo de Glória merece um pouco mais de atenção, tanto pelos seus aspectos cinematográficos como por seu apelo histórico. A recriação de época merece muitos elogios e faz com que nos sintamos em pleno século XIX. O diretor Edward Zwick cria cenas de batalha empolgantes, brutais e realistas, porém o ponto forte é mesmo as atuações, em especial de Denzel Washington e Morgan Freeman. A cena das chicotadas é um momento arrebatador do cinema e valeu um Oscar de ator coadjuvante para Denzel Washington. Não dá pra esquecer também a sequência em que o regimento se reúne para cantar, rezar e botar para fora tudo o que cada um está sentindo na noite anterior a um ataque quase suicida ao forte Wagner. Eis aqui um filme inspirador, poderoso e necessário. Trata-se de uma mistura extremamente eficiente de entretenimento, drama e apreço técnico.

5

Crítica: Três Homens em Conflito (1966)

três-homens-em-conflito-1966

Exemplar máximo do western spaghetti, Três Homens em Conflito pode ser considerado um dos melhores do gênero Western, mesmo subvertendo várias de suas convenções. Ou justamente por isso, pois ele trouxe vida nova ao Velho Oeste. Foi aqui que o estilo do diretor Sergio Leone atingiu o ápice. Temos aqui diversas tomadas longas, close-ups fechados intercalados com planos bem abertos, um visual que hipnotiza e uma trilha sonora das mais inspiradas, de Ennio Morricone. O enredo é simples, mas cumpre o papel de impulsionar os atos dos personagens, que estão em busca de uma grande quantidade de ouro, com a guerra da secessão como pano de fundo. São três horas de duração que não pesam nada. Três Homens em Conflito é um clássico com todos os méritos.

5

Nascido em 4 de Julho (1989)

Tom Cruise e William Dafoe em Nascido em 4 de Julho, 1990
Tom Cruise e Willem Dafoe em Nascido em 4 de Julho, 1990

Juntamente com Platoon e Entre o Céu e a Terra, Nascido em 4 de Julho faz parte da trilogia de Oliver Stone sobre a Guerra do Vietnã. Aqui, o diretor faz um verdadeiro manifesto contra tudo o que envolve a guerra. Para tanto, a trama nos apresenta a Ron Kovic, um jovem patriota que se sente na obrigação de atravessar o planeta para matar ou morrer. O que leva alguém decidir seguir isso caminho?

Nascido em 4 de Julho desenvolve muito bem o seu personagem principal. Acompanhamos um Kovic criança que adora brincar de soldado e que ama o seu país. Mais crescido, depois de se sentir um tanto sem rumo e de se impressionar com a propaganda militar, ele torna-se um voluntário e embarca para o caos.

Analisando as cenas de batalha em termos estéticos e de ação, chegamos a conclusão que elas não são o ponto forte do filme, mas que cumprem o importantíssimo papel de mostrar como essa guerra foi absurda. Duas cenas extremamente fortes não me deixam mentir.

O fato é que Kovic é ferido e fica paralisado da cintura para baixo. E aí é que Nascido em 4 de Julho realmente começa. Kovic tem que encarar inúmeras provações durante sua recuperação. Em um ambiente hospitalar dos mais precários e semi-abandonado pela família, ele começa a repensar suas ideologias.

Indicado a 8 Oscars, o filme comprova o talento de Tom Cruise e de Oliver Stone, além de transmitir uma dolorosa e eficiente mensagem contra a barbárie da guerra. Nascido em 4 de Julho é uma experiência difícil e incômoda, mas necessária.

298

Crítica: Tigerland (2000)

tigerland-movie

Tigerland – A Caminho da Guerra não figura em listas de melhores do gênero, mas este filme possui algumas qualidades que permitem com que ele não seja totalmente esquecido. Apesar da temática batida, do personagem principal exagerado e dos momentos de pieguice, temos aqui uma bela surpresa. A trama mostra um grupo de soldados americanos que se prepara para entrar na Guerra do Vietnã. Eles não enfrentam apenas um treinamento duro, mas também alguns oficiais que são verdadeiros carrascos, além do medo crescente de ir para o outro lado do mundo e talvez não mais voltar. Roland Bozz (Farrell) é um encrenqueiro que parece viver em um mundo paralelo. Ele não respeita as ordens de seus superiores e não se importa com as punições que recebe. Ele desconhece o conceito de hierarquia, aparentemente. Tive alguns problemas em aceitar um personagem com essas atitudes um tanto inverossímeis, mas o fato é que Farrell demonstra tanta energia e força que ficamos fascinados pela rebeldia dele. O título se refere a um local que simula quase todas as condições que os soldados enfrentarão do Vietnã. Trata-se da última parada antes do caos. Joel Schumacher merece créditos por realizar um trabalho competente. Ele acertou em cheio ao utilizar a câmera tremida, fotografia granulada e atores poucos conhecidos, fazendo com que o estilo se aproxime do documentário. Não é um filme essencial, mas os admiradores do gênero não vão se arrepender de conferir.

296