Crítica: Os Incompreendidos (1959)

os-incompreendidos-1959Os Incompreendidos é o filme de estreia de François Truffaut e um dos nomes mais importantes da nouvelle vague. Não se trata ‘apenas’ de um marco na História da Sétima Arte, mas também de um filme que encanta e fascina ainda nos dias de hoje.

Antoine Doinel é um garoto de 13 anos que passa por dificuldades durante o seu processo de amadurecimento. Ele faz um pouco de bagunça durante a aula, passa um dia com um amigo pela cidade ao invés de ir para escola e tem um relacionamento complicado com a mãe. Até parece que estamos diante de um diabinho, o que não é verdade. É apenas um garoto fazendo coisas que garotos fazem. O problema é que parece que não existe ninguém realmente interessado nele. Percebemos que ele é um bom rapaz, mas falta uma pessoa de bom coração para conversar e dar bons exemplos. Preferem considerá-lo um delinquente juvenil. Existe muito da vida de Truffaut em Antoine, inclusive o amor pelo cinema. Dentro da sala escura percebemos que ele experimenta a felicidade plena.

Com uma óbvia influência do neorrealismo italiano, Os Incompreendidos aborda com naturalidade situações responsáveis por moldar a personalidade de uma pessoa. A narrativa flui de maneira brilhante, sem jamais perder a força, culminando em uma cena final inesquecível.
[9]

 

Daredevil 1×03 – Rabbit in a Snow Storm

daredevil-kingpin_0

‘Rabbit in a Snow Storm’ utiliza a maior parte do seu tempo para mostrar Matt e Foggy defendendo um cliente em julgamento. O cliente em questão é Healy, que brutalmente assassinou um bandido local, a mando de Wilson Fisk.

As cenas no tribunal mostram a boa capacidade de argumentação de Matt e também alguns de seus poderes, como a capacidade de perceber que alguém está em apuros ao ouvir as batidas do coração.

Vemos também o jornalista Ulrich em um dilema: escrever algo que faça o seu jornal vender mais ou ir em busca de uma história realmente importante para a cidade?

Mas é claro, que a melhor parte deste episódio ficou para o final. Em mais uma empolgante luta, dessa vez entre Matt e Healy, vemos este último simplesmente suicidar-se após entregar o nome do seu ‘chefe’. Trata-se de Wilson Fisk, o ‘Rei do Crime’.

Os roteiristas de Demolidor foram muito felizes em gastar três episódios para finalmente mostrá-lo. As expectativas ficaram lá no alto para esse momento derradeiro. Agora, tudo pode acontecer.
[8]

Review: Demolidor 1×02 – Cut Man

daredevil-cut-man-1x02-E o segundo episódio de Demolidor conseguiu ser ainda melhor do que o piloto. ‘Cut Man’ tem início com Matt Murdock ensanguentado em uma lixeira. Ele é ajudado por Claire, uma enfermeira que, apesar de desconfiada da situação, não vai deixar ninguém morrer em suas mãos.

Aos poucos vamos entendendo o que aconteceu. Murdock foi atrás daquele garoto sequestrado no episódio anterior, mas isso era uma cilada. Ele apanhou bastante. Algumas costelas quebradas, cortes profundos, muito sangue perdido e até um pneumotórax. Por sorte, Claire tem habilidades de um clínico experiente.

O roteiro opta por não nos mostrar essa sequência, fica na imaginação. Particularmente, acredito que tenha sido uma atitude correta. Sobra um tempo para investir no passado de Matt e sua relação com o pai.

Os flashbacks mostram Matt se adaptando à cegueira da melhor maneira possível e também ao fato de ter os outros sentidos mais potentes do que o normal.

O pai de Matt recebe uma proposta de cair no quinto round em uma luta, mas o orgulho e o desejo de não decepcionar o filho fazem com que ele vença. Isso trará consequências óbvias. E tristes.

Sempre que o Matt adulto se encontra em dificuldades ele se lembra do pai e da capacidade dele em aguentar muita porrada e se levantar.

A cena final mostrando o resgate do garoto é algo de belo. Belo e violento. Sentimos o cansaço e a dor de Matt, mas o fato é que ele não pode desistir. É uma sequência sem cortes, esteticamente brilhante. Inclusive, me fez lembrar do filme Oldboy, o que é ótimo.

O lado leve de ‘Cut Man’ fica para a madrugada etílica de Foggy e Karen. Boas risadas e bebidas de alto teor alcoólico e qualidade duvidosa.

Agora conhecemos um pouco mais de Matt Murdock e sabemos que Demolidor é um seriado muito bem produzido, sombrio, com personagens interessantes e uma história que tem bastante potencial. Vamos para o próximo episódio?
[9]

Review: Demolidor 1×01 – Into the Ring

demolidor-1x01-into-the-ring

Eu estava aguardando a estreia de Daredevil com um certo grau de ansiedade e posso dizer que este primeiro episódio correspondeu às minhas expectativas.

Como todo inicio de um seriado de heróis, somos apresentados ao personagem principal e a alguns acontecimentos chaves em sua vida. Aqui as coisas foram feitas de maneira rápida e com pouca exposição, permitindo que mais revelações sejam feitas ao longo da temporada.

Na primeira cena já ficamos sabendo como Matt Murdock perdeu a visão quando criança. A importância do pai na vida dele também é ressaltada, durante uma confissão.

Logo temos uma amostra de suas habilidades atléticas e sua capacidade aguçada de audição. Em uma cena de luta muito bem coreografada e intensa, percebemos que estamos diante de um herói confiante, mas vulnerável.

À noite, ele se utiliza de um uniforme de super-herói para combater o crime e durante o dia exerce a profissão de advogado. Matt e Foggy acabam de abrir um ‘escritório’ de advocacia e o primeiro caso já mostra que essa vida também não é fácil.

Eles ficam responsáveis por defender a garota Karen Page, que foi encontrada na frente de um cadáver e com arma do crime na mão. Tal ‘homicídio’ tem enormes ramificações, envolvendo uma construtora, contratos com o governo e muita corrupção.

O criminoso por trás disso está envolto em mistério. Neste episódio, apenas ouvimos sua voz. Mas quem conhece um pouco do mundo da Marvel sabe que trata-se de Kingpin.

Crime organizado, atmosfera sombria, uma certa dose de realismo, sequências de ação com requinte estético e um herói dos mais interessantes. Demolidor começou com o pé direito! A nossa sorte é que podemos assistir ao resto da temporada quando quisermos. Valeu, NetFlix!
[8]

Crítica: A Feiticeira da Guerra (Rebelle, 2012)

War_Witch1

A Feiticeira da Guerra, filme que concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2013 pelo Canadá, é uma experiência forte e perturbadora. Aqui acompanhamos a história de uma garota africana que aos 12 anos foi capturada por um exército rebelde. A primeira ‘missão’ dela é simplesmente matar os próprios pais. Ou ela faz isso, ou morrerá. A garota passará por vários momentos igualmente desesperadores e rapidamente ficamos do lado dela, experimentando um pouco do seu sofrimento. Por sorte, encontra um pouco de afeto na figura um rapaz albino. Este é um daqueles filmes difíceis e importantes de serem vistos. Trata-se de uma situação enfrentada por muitas crianças na africa subsariana. É inegável que, neste caso, o meio faz o ‘vilão’. Pelo menos, lá no fundo, existe um fiozinho de esperança.
[7.5]

Review: The Walking Dead 5×10 – Them

the-walking-dead-5x10-them-review

Pela média de 7.5 deste episódio no IMDb ficou claro que muitos não gostaram nada do que viram aqui. Algo que me deixou um tanto surpreendido, afinal este foi, para mim, um dos melhores episódios de toda a temporada. Os principais aspectos de ‘Them’ que me agradaram foram a atmosfera pesada e deprimente e o ritmo um pouco mais lento do que o normal. Todos os sobreviventes estão visivelmente cansados desta vida de dormir com um olho aberto, de temer cada local novo. Alguns, como Maggie, parece que já estão pensando em desistir. Logo na primeira cena ela demorou bastante para reagir contra a aproximação de um zumbi. Apesar de tudo, a garota ainda encontra uma fagulha de humanidade e resolve acabar com o sofrimento de uma zumbi que estava presa no porta-malas de um carro.

A gasolina está acabando, a água é artigo de luxo e a fome é cada vez maior. O momento está tão complicado que o episódio nos faz perguntar quem são realmente os mortos-vivos. As sequências em que vemos o grupo andando, devagar e exaurido e os zumbis lá atrás são reveladoras neste sentido. E claro, o diálogo entre Rick e Daryl também. Mas quando a esperança está prestes a ser perdida, aparece uma chance de redenção. Durante uma tempestade arrebatadora, os zumbis tentam entrar no celeiro em que o grupo estava escondido. Unidos de uma forma emocionante e usando toda as forças que restam, eles conseguem impedir a entrada dos errantes.

Para finalizar este episódio reflexivo e até poético, um pouco de suspense. Quem é este novo personagem que aparece como amigo? Torço para que as coisas não se tornem previsíveis como tem sido até aqui nesses encontros. Até agora conhecer pessoas novas só levou à desgraça. Que os roteiristas nos surpreendam um pouco!
[9]

Crítica: O Matador (1950)

the-gunfighter-1950

Jimmy Ringo é considerado o gatilho mais rápido do oeste. Ele já enfrentou e venceu mais de 10 oponentes e por onde passa é reconhecido. Muitos o temem, mas alguns desejam desafiá-lo e mostrar que podem ser tão rápidos como ele. Tudo o que Jimmy quer é voltar para sua cidade, para sua mulher e seu filho, mas o passado que construiu dificulta a realização de seu desejo. Após sair-se vencedor em um confronto em um saloon (que ele tentou evitar de todas as formas), Jimmy acaba sendo perseguido pelos irmãos de sua vítima. O suspense sempre está no ar em O Matador. A cada minuto o cerco está se fechando em volta de Jimmy, com as ameaças cada vez mais próximas. Será que haverá tempo para corrigir os erros do passado? Este é um western que não contém muitas cenas de ação, apenas o suficiente. O filme prefere investir nas angústias do personagem principal e acerta em cheio. Poucos exemplares do gênero conseguem estimular tantas reflexões.
[8.5]